Saturday, February 28, 2009

Medos...

Tinha medo de...
Meu medo era ir pra escola. Não sabia o que se fazia lá naquele lugar. Não sabia o que iria acontecer comigo. Não sabia nada. Tinha medo. Até que um dia, fui. E nunca mais parei. Passei a ter medo de algumas professoras, aquelas que tinham cara de brava. Me davam pesadelo à noite. Ficava quietinha durante a aula, pra não chamar atenção. De vez em quando, ou melhor, quase sempre, eu tinha medo de fazer prova, de tirar nota ruim, de dizerem que eu era burra. E eu não era burra. Só medrosa. E chorona. Tinha medo de chegar atrasada, de fazer pergunta na aula e, principalmente, eu tinha medo dos meninos. E das meninas maiores. Essas foram minhas únicas preocupações por um bom tempo.
Eu tinha (e quem não tem?) medo de escuro, medo da noite. Quando ia dormir, apagava a luz e corria depressa pra cama. Uai, vai que tem alguma coisa lá em baixo. Eu é que não ia arriscar. Me embrulhava toda na coberta e ficava quietinha até dormir.
Morria de medo de ir à parte funda da piscina, de balançar forte, de subir na gangorra e cair, me machucar. Tinha medo de gente doida, de bêbado, de fantasma, mulher de branco, tarado, ladrão, bicho papão, cuca, lobisomem. Hoje tenho medo de gente normal. Até de mim mesma.
Temia não passar no vestibular. Esse foi um dos maiores nos últimos anos. Depois veio o medo de não arrumar emprego. E o que sempre está aqui e sempre estará. O medo do futuro, do desconhecido. Nunca se sabe o que a vida lhe reserva lá na frente. Isso dá uma insegurança. Você acha que controla alguma coisa, mas você não manda em nada.
Hoje os medos evoluíram. Um grande medo é ficar sozinha. A solidão assusta, não acha? Também tenho medo do tempo. De ficar velha. Tenho medo de engordar. Medo que meus filhos me chamem de coroa, de careta. Medo de me tornar uma adulta mesquinha, rancorosa e ranzinza. Tenho medo de ficar doente, de ficar careca. Tenho medo de não poder viajar nas próximas férias.
E você? Tem medo de quê? Você pode até ter medo de lagartixa, só não tenha medo de viver. Nem de morrer. Não tenha medo de amar, nem de ser ridículo. Não tenha receio de sonhar. E realizar seus sonhos. Grite, ame, cante, dance, corra, ande na montanha russa, vá à parte funda da piscina, pergunte, curta o escurinho. Não tenha medo da vida. Tema o arrependimento.
(Ana Elisa)

4 comments:

Mr Wu said...

Elaisa,
todos temos medo, e isso é saudável, pq senão a gente queimava a mão no fogão todo dia... Cada um tem seus medos, mas a melhor das notícias a respeito disso é q a gente pode superar, como vc fez durante toda a vida. Acabo de ler todos os posts,e o q vejo é a superação, sempre, e é isso o q interessa. Publique mais, sempre.
Bjs

Diego said...

lindo seu texto
=]

Darine said...

Lindo o texto Ana! =)
parabenss!!
boa sorte pra vc sempre!!!

beijoss

Ana Elisa said...

obrigada pela forca gente! bjs