Saturday, April 18, 2009

Este momento

Você já parou para pensar que neste exato momento alguém em algum lugar no mundo está escrevendo sobre o que os outros podem estar fazendo naquele momento, enquanto outra lê um jornal, coça o nariz, assiste tv, estuda para a prova de anatomia (ou geografia, inglês, química, fonética, física, historia, psicologia, literatura, matemática, antropologia, bioquímica...). Alguém aí do seu lado pode estar tocando violão, navegando na internet, sorrindo, chorando, brigando, dormindo, te beijando, comendo um sanduíche, espirrando, tropeçando ou ate falando mal de você. Alguém, em algum lugar deste planeta (ou fora dele) pode estar se casando, se separando, tendo um filho, encontrando o amor de sua vida, nascendo, morrendo, viajando, dançando, trabalhando, roubando, decidindo onde vai passar as férias ou o futuro da nação. Enquanto isso, outros tomam banho, batem papo, assistem novela, explodem bombas, fazem orações, caminham, sentam na praça, passam batom, apanham, preparam o jantar, esperam o namorado, comemoram, lamentam, fogem de casa, sonham, tiram fotos, costuram, fazem caretas, sobem e descem escadas. Colocam silicone, cortam os cabelos, gritam, cantam, dançam, tomam veneno. Mulheres fazem as unhas, escovam o cabelo, ficam grávidas, menstruadas, se depilam, se decepcionam, se maquiam, vendem seus corpos, cuidam da casa, matam seus filhos, reclamam da vida, amamentam, são promovidas, são amadas. Crianças, brincam, pronunciam sua primeira palavra, choram, mamam, aprendem a andar, a ler, a escrever, desenham, correm, pulam, se balançam, fantasiam, pedem colo, trabalham, passam fome, provocam encanto, piedade. Do outro lado do mundo alguém pode estar te esperando, andando de bicicleta, de carro, de avião, de moto, de patins, skate, asa-delta, pára-quedas, caminhão, ou simplesmente a pé, olhando pro chão, colhendo uma flor e oferecendo-a à pessoa amada. Ao mesmo tempo, o seu vizinho ali do lado conta uma piada, solta um pum, frita um ovo, atende o telefone, mata uma barata, escova os dentes, pinta um quadro, quebra um copo, admira o pôr do sol, toma sorvete, pede carona, solta a voz num karaokê, faz uma surpresa, pula um muro (ou uma cerca), faz massagem, rega as plantas, passeia com o cachorro, espera o ônibus, limpa os óculos, faz xixi, masca chiclete, salva o mundo, tropeça na pedra que havia no meio do caminho, machuca o joelho e solta um palavrão, arranca um dente, escreve um livro, vai ao cinema, dá um show, gasta dinheiro, empresta dinheiro, ganha dinheiro, pede dinheiro, dá dinheiro, vira pro lado e fuma um cigarro, dança uma valsa, faz aniversário, arruma o armário,enterra um parente, faz fofoca, pede perdão, se abraça, sente saudade, ódio, frustração... E você aí, vendo o tempo passar e reclamando da falta do que fazer!
(Ana Elisa)

14 comments:

Coisas da Fran said...

Poxa Ana! Gostei do seu texto viu? É a realidade do dia-dia! Sempre gostei de seus textos desde a época da faculdade!
Bjo!

Erica Rocha said...

Eii, amei seu texto!

Sou futura au pair. vou te linkar ok??

beijoss

Marcos Vinicius Lima de Almeida said...

Cada momento é medido pela infinidade de pessoas acontecendo...
Adorei o texto...

retribua a visita ou não - http://prosacom.blogspot.com/

KID PSICÓTICO said...

Hauhau... Oi Ana! tdb?! Gostei muito do texto, bem realista.

Leandro said...

Penso nisso o tempo todo. Não poucas vezes imagino as mesmas coisas. Não se espera menos das mentes inteligentes.

Ananda said...

Oi, Ana! te vi no blog da Fran... Tudo jóia?
Soube que está nos EUA, que chique hein! Como está sendo a experiência?

Sobre seu texto... A vida é mesmo assim: uma eterna ocupação de nada do que fazer. Ou melhor um eterno desejo de se fazer o que não está fazendo. É, acho que to me embanando toda hehehe
Mas pra mim, a vida, as coisas, o fazer ou não-fazer é sempre um gerundismo sem fim: querendo, buscando, correndo, amando, estudando, trabalhando, fazendo, não-fazendo...

Beijão!

Yaraa said...

C q escreveu tchu?! =) q chiquE benhê! gostei mto! tenho uma irmã escritora. . lalalaa !

E vem a Ana... said...

PUTA QUE PARIU! Com o perdão da palavra... Depois dizem que o mais óbvio não é o melhor de ser ler! É sim. E eu leio, e eu reflito, e eu me delicio, como fiz agora com suas palavras. Muito bom o texto! Tentarei (ainda que em vão) não reclamar mais da vida...

Ana Elisa said...

obrigada pelas visitas e comentarios! sao mto importantes p mim!!!

juh gorayeb said...

Anaa, q maraa esse textO! nuss em algumas coisas ja tinha pensado, mas em outra nunquinha!!

parabens mocinha!

FERNANDA said...

FANTASTICO!!!SINCERAMENTE!!!!!

Alice said...

Nossa Ana...
Sabia q era escritora nao??
Emocionei aki...eu ex colega minha vai ser famosa ainda!!!
Vou sempre acompanhar seu blog.
Parabens viu?
Sucesso pra vc ai..
bjo

Brunno Hot said...

eh minha cara, fazer o que se dessa vez acertei em cheio na amiga famosa...graças a deus.
Vc é linda, seus textos são maravilhosos(mas eu sou suspeito pra falar né)

abraços e continue assim e to vendo que o nosso publico alvo seja a adolscencia mesmo ne

Ana Elisa said...

hot, podemos definir o publico como Jovem, neh!