Friday, October 23, 2009

A quarta estação

Saí do aeroporto e podia ver minha respiração e a de todos em volta. Havia blocos de gelo pelo chão e no dia seguinte nevou sem parar. Tínhamos que ir de um prédio a outro no campus onde estávamos tendo o treinamento e, em menos de dez minutos a neve já tinha derretido pra dentro da minha bota, eu já não sentia direito as orelhas, os dedos, o nariz estava vermelho como um pimentão e os lábios ressecados.
A primeira vez que vi neve foi inesquecível. Estávamos andando em direção ao refeitório quando vi umas coisinhas minúsculas dançando e brilhando no ar. Durante a aula, eu não conseguia tiarar os olhos da janela, porque a neve não parava de cair e tudo estava ficando branco. Eu estava maravilhada. E assustada. Logo os caminhões vieram tirar a neve das ruas e estradas e a vida seguia normalmente, naquele frio anormal.
O frio dura muito tempo aqui. Teoricamente fevereiro é o último mês do inverno, que dá lugar à primavera. Mas só consegui abrir mão das jaquetas e casacos no fim de abril. Os dias ficaram malucos: chuva num instante e no outro o sol mais brilhante que já vi. As pessoas começaram a jardinar. Falando sério, nunca vi flores tão lindas, tão vivas! As árvores, antes mortas, sem nenhuma folhinha sequer, agora estavam cobertas de flores. E os carros amanheciam cobertos de uma coisa verde – que depois descobri ser pólen. E todo mundo parecia ter alergia, menos eu.
Em junho começamos a usar short, chinelo, filtro solar, ir às praias e piscinas. A alegria e animação era palpável. A temperatura subia um pouco, o sol dava o ar da graça e todo mundo já estava fora de casa, correndo, passeando com o cachorro, tomando sorvete ou lendo um livro no parque. Os fins de semana eram cheios de eventos ao ar livre, shows, feiras, festivais. Os dias eram longos, o sol nascia antes das 6 da manhã, com toda força, e o pôr do sol era às 8:30 da noite. Impressionante.
E enfim cheguei ao fim do ciclo: o outono, a tristeza antecipada pelo inverno. Mas é tão lindo! Árvores douradas, alaranjadas, vermelhas, amarelas... chão, carros, tudo coberto de folhas. Folhas, folhas e mais folhas! Chuva, ventos fortíssimos, temperaturas inacreditáveis e, acreditem se quiserem: neve. Hora de tirar as roupas do fundo das gavetas e do armário, hora de comprar mais luvas, cachecóis e meias. Hora de se preparar para mais de seis meses de frio. E compreender porque os americanos amam o (curto) verão.

(Ana Elisa)

7 comments:

Brunno Hot said...

Rsrsrs
Muito legal seu texto...ao ler parece que tambem estamos ai...rsrs....


bjs

Patty said...

Lindissimo, Ana! Eh bom estar aqui, nao eh? ^^

patrick said...

Amei seu texto! Deu até para sentir um pouco do frio aqui (coisa impossível), mas consegui visualizar os carros com o polén e depois com as folhas do outono. Me fez viajar pelas 4 estações!

abraço e sucesso sempre

Ananda said...

Vc acabou de descrever como eu penso que os EUA (e o resto do mundo - menos aqui)) são. Não pq eu vejo em filme mas sei lá. Acho que essa mágica só deve acontecer com pessoas como vc, como eu, por exemplo. Da mesma forma que os estrangeiros ficam maravilhados com as praias e dunas de areia daqui (e os brasileiros tão enjoados delas hehehe).
Mais que beleza eu enxergo simplicidade e liberdade de ser e existir. Queria morar num lugar assim, ser assim. Eventos ao ar livre, passear com o cachorro? (eu até tentei passear com o meu mas descobri que sou alérgica hahaha :S) Aqui as pessoas só pensam em trabalho, trânsito, contas, cerveja e churrasco (talvez as daí tbm, não sei) hahaha
Ah, desculpa. To bipolar hoje! :P
Pra variar, maravilhoso seu texto!
Beijos, Ana!

Camila M. said...

Ai, que lindo! Quero sentir isso também!

KID PSICÓTICO said...

Adorei!!! XD

Jailson said...

Adorei o texto! Mas como sou muito sincero, prefiro nosso maravilhoso verão! Belas praias, um sol maravilhoso, e principalmente belas mulheres!(Se bem q algumas não se encontram em nosso maravilhoso país, vc por exemplo,rss...)
Felicidades! Mas saiba q tbm estou muito feliz aqui!